28 de mar de 2011

ATENTADO

Com pesar que constato em nosso estado o recrudescimento de um crime que, nas últimas décadas, estamos acostumados a assistir nos filmes e noticiários internacionais, ou mesmo de outros Estados da federação.
Estou me referindo ao crime político.
Todos os indícios nos levam a conjecturar que o atentado que sofreu o Sr Ricardo Gama, a quem não conheço pessoalmente, trata-se de um crime dessa natureza. É a pseudo-democracia instaurada.
Se tal for confirmado, além de ser um retrocesso na civilidade de nosso povo, o tiro saiu pela culatra.
Por que digo isto? Simples, primeiro acredito que tão logo se recupere o Sr Ricardo voltará a escrever em seu blog e com mais veemência ainda. Segundo, muitos daqueles que não concordam com o que acontece em nosso estado, mas que por comodismo ou por não  desejarem se envolver, permanecem alienados do cotidiano, com o acontecimento deste atentado, ao invés de se amedrontarem, irão de maneira progressiva e homeopática, sair de cima do muro ou do marasmo que se encontram e começar a “cerrar fileiras” junto aos obstinados e ferrenhos críticos desta situação.
Acredito que este fato já tenha se iniciado e que os véus que encobrem e dissimulam algumas imagens já começam a cair e descortinar as verdadeiras imagens empanadas pelas bazófias verborrágicas.
ESTEVES – CEL RR

27 de mar de 2011

POLICIA COMUNITÁRIA?

Nos últimos dias, freqüentando algumas OPM de saúde, tive oportunidade de ouvir Oficiais falando sobre Policia Comunitária. Reconheço que fiquei curioso e nas ocasiões que surgiram chances, anonimamente, me aproximei para escutar.
Minha estupefação foi ainda maior que minha curiosidade, pois alguns Oficiais, ao defender o Policiamento Comunitário, demonstravam completo desconhecimento do que seja realmente.
Admito que definir policiamento comunitário não é simples, pois é dinâmico de acordo com uma série de fatores intervenientes. Isto é, a estrutura, os objetivos e as técnicas a serem utilizadas variam em cada comunidade onde atue.
Para aqueles que se interessarem, há fatores comuns a todos os programas de Policia Comunitária. São eles:
• PARCERIA;
• PODER;
• RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS;
• RESPONSABILIDADE;
• ORIENTAÇÃO PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS;
• ADAPTABILIDADE.
Quem realmente quiser entender e aplicar sugiro que, antes de qualquer coisa, busque ler “Cadernos de Polícia número 8”, editado pela Corporação na gestão do Coronel Carlos Magno Nazareth Cerqueira, então Secretário de Estado de Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro.
Leitura indispensável.

ESTEVES – CEL RR.

21 de mar de 2011

REFLEXÃO

Como às vezes faço, estava contemplando a natureza; desfrutando do frescor da brisa marinha, admirando o contorno simétrico da crista das montanhas, o azul esverdeado do mar e sorvendo o aroma da maresia. Neste momento de introspecção, veio-me a lembrança, uma quase infinita quantidade de pessoas que passaram pela minha vida.
Algumas rapidamente sem que tivessem chance de se nomear, outras de forma mais efetiva. Todavia constatei o fato de que todas me ensinaram alguma coisa.
Talvez eu não tenha tido a maturidade necessária ou a sapiência para apreender ou mesmo implementar o que me era passado, no momento do ensinamento, mas com toda certeza ficou de alguma forma gravado no meu subconsciente.
Nesta viagem que faço ao meu “eu” muitas vezes encontro as respostas, que em dado momento não soube achar, nas experiências de vidas destas importantes pessoas que gravitaram e até hoje ladeiam o meu ser.
Então, apesar de saber que um número diminuto destes maravilhosos mestres tomará conhecimento deste artigo e, uma quantidade menor ainda terá consciência de sua real importância para mim e para tudo que sou, fiz e represento, ainda assim me obrigo, por dever de justiça e acolhimento das ordens emanadas de meu coração, a agradece-los por tudo que sou e que aprendi nesta vida.
De coração, OBRIGADO.
ESTEVES – CEL RR.

20 de mar de 2011

NOVOS SONHOS

O ano se inicia e com ele renovam-se as esperanças e os sonhos. Alguns, conscientemente utópicos outros factíveis, não importa, o que realmente interessa é que eles existam, pois sem sonhos a vida não tem sentido.
Estou vivo, logo tenho meus sonhos, entre eles estão o reconhecimento, pelos governantes, do valor e importância dos profissionais das áreas de educação, saúde e segurança; a transformação em atos das falas em defesa do planeta, ou seja, que deixem um pouco de discursar e passem agir de modo a buscar não uma proteção, mas sim um não ataque ao planeta, pois a Terra é uma das maiores vítimas do “homem”.
Que os políticos roubem menos. Vejam a que ponto cheguei, não sonho nem que eles não se locupletem, mas sim que não façam só isso.
Que as pessoas consigam ver a beleza com que DEUS nos presenteia diariamente: O nascer e o pôr do SOL, o colorido das plantas, o odor das flores, a singeleza e sinceridade dos animais, os vales, as montanhas, os rios, o mar com sua força inquestionável, enfim a natureza como um todo, com toda sua magnitude e esplendor.
Sei que vários (se não a maioria) destes desejos são quimeras, mas permito-me os devaneios, pois creio que para o Criador do universo tudo é possível, então sonho e rezo por suas concretizações.
Sonhem, não permitam que suas vidas passem sem sentido, almejem de forma ética e dadivosa, pois este foi o grande ensinamento que nos recusamos a seguir.



ESTEVES – CEL RR