22 de mar de 2015

EU DISSE.
Em outubro de 2012, fiz um profético “post” com o título “JUROS”.
Por que digo profético?
Naquela oportunidade eu já sugeria cautela e alertava para o recrudescimento da inflação, fruto de uma política, a meu ver, equivocada do Governo.
A tentativa de forçar a redução das taxas de juros e de estimular o consumo, inapropriados para aquela ocasião, desencadeariam, como de fato ocorreu, o restabelecimento de uma inflação de níveis indesejáveis. Talvez, ao governo, tenha faltado à visão de um economista ortodoxo, ou por presunção, tenha acreditado que seria capaz de se impor ao mercado financeiro, sem conseqüências para este ato, ou ainda pela certeza da impunidade fomentando a política de que “quanto pior, melhor”.
Bem qualquer que tenha sido o motivador desta equivocada postura, nós é que estamos pagando a conta. Em 2014 a inflação oficial bateu em 6,5% este ano, ainda estamos em março, já está beirando os 3,5%.
Minhas projeções não são nada auspiciosas.
Vamos aguardar para ver o final da história, pois existem muitos fatores intervenientes que ainda podem mudar o desfecho presumível.


ESTEVES – CEL RR

16 de mar de 2015

NOTICIAS DO G1

15/03/2015 13h57 - Atualizado em 15/03/2015 23h13

Manifestantes protestam contra Dilma em todos os estados, DF e exterior

Mais de 2 milhões de pessoas estiveram nos atos de ao menos 160 cidades. 
Em SP, participaram 1 milhão, segundo a PM, e 210 mil, para o Datafolha.

Do G1, em São Paulo



Brasileiros foram às ruas em todos os 26 estados, no Distrito Federal e em cidades do exterior neste domingo (15) em protesto contra a corrupção e o governo da presidente Dilma Rousseff (PT).


Levantamento feito por repórteres do G1em todo o país indica que ocorreram protestos em ao menos 160 cidades, que mobilizaram, ao todo, 2,3 milhões de pessoas, segundo a PM, e 2,9 milhões, segundo os organizadores. (Há cidades que não tiveram estimativa de público feita pela polícia ou por organizadores). 
 As mobilizações foram organizadas pelas redes sociais nas últimas semanas. No geral, os atos foram pacíficos. Em Brasília, houve um princípio de confronto quando o protesto já havia acabado. Em São Paulo, um grupo foi detido com fogos de artifício e soco-inglês, segundo a PM.
A cidade de São Paulo teve o maior público: 1 milhão, segundo a polícia, e 210 mil, segundo o instituto Datafolha (há uma diferença de metodologia entre PM e Datafolha; entenda).
Grande parte dos manifestantes pedia a saída ou o impeachment da presidente Dilma e protestava contra a corrupção. Algumas manifestações isoladas defendiam a intervenção militar no Brasil (o pedido de intervenção militar é uma atitude ilegal e frontalmente contrária à Constitução; em seu artigo 5º, a Constituição diz que "constitui crime inafiançável e imprescritível a ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático").

No início da noite, os ministros da Secretaria-Geral da República. Miguel Rosseto, e da Justiça, José Eduardo Cardozo, deram uma entrevista coletiva sobre os protestos e afirmaram que a presidente anunciará medidas de combate à corrupção.


O G1 cobriu os protestos em tempo real, com as últimas notícias, fotos e vídeos.

ELES NÃO ADMITEM.

Ao acompanhar as manifestações pela TV, que surpreendentemente transmitia em tempo real a expressão da vontade do povo, fiquei pensando: “E agora o que eles (PT) vão dizer, como vão justificar mais de um milhão de pessoas expressando de forma ordeira e pacífica, suas indignações com a trajetória degradante para na qual o Brasil se encontra”.
Qual não foi minha estupefação ao ouvir o pronunciamento de representantes deste desgoverno, com as caras mais deslavadas, entoando o mesmo discurso de quando buscavam a reeleição: “A culpa é da crise Mundial; nunca antes um governo se preocupou com o povo como o PT; os que foram às ruas não votaram na Presidente; é articulação da burguesia que não pensa no pobre; é tudo intriga e manipulação da oposição; nosso governo apura as denúncias de corrupção, por isso aparecem mais casos, enquanto outros engavetavam; etc”.
Baboseiras!
Eles realmente acreditam nisto? Ou será que eles pensam que o povo ainda acredita nesta enxovalhada de mentiras? Será que eles estão tentando tapar o Sol com a peneira ou estão enfiando a cabeça na terra, como avestruz?
Para desespero deles, acredito que não vai parar por aí. A revolta com as mentiras e com tudo que está acontecendo não permitirá que o povo se cale.
Para eles, PT, a meteorologia prevê dias negros, com tempestades e turbulência. Para o povo, o renascer da esperança, da vontade de lutar e o orgulho de ser brasileiro despontará com a bonança e com um belo arco íris ao fim da tarde.


ESTEVES CELRR
Nossos Políticos
Dizem que a “Política” é uma arte.
É a ciência de bem governar e de cuidar dos negócios públicos; é a habilidade no trato das relações humanas.
Bem, se tudo for verdade, realmente precisamos importar “Políticos”, pois estes adjetivos não são encontrados nem com lupa em nossos (irg) “representantes”.
Não sei em outros países como funciona, mas acredito que não seja como aqui, já que no Brasil, ser político é profissão. O cara nunca trabalhou, se candidata, é eleito e, a partir daí, sua profissão será: Deputado, ou vereador, ou prefeito, etc. Na verdade é uma atividade temporária de representar e defender, enquanto investido de mandato, os interesses do povo. Veja bem, eu disse do “POVO”.
O que vemos? Com certeza não é isto.
Existem vários nomes que eu poderia citar como exemplos, mas com certeza cairiam sobre mim como abelhas no mel caso eu, apesar do conhecimento e convicção de todos, não pudesse provar alguns dos fatos.
Mas investiguem, analisem e verão que infelizmente não estou fantasiando.


ESTEVES - CEL RR

13 de mar de 2015

Notícias do G1

Vejamos o que vai acontecer domingo. Serão milhares ou “Milhões”?

g1.globo.com/ 23:00h do dia 13/03/2015.

DIA DE MARCHAS
Manifestações também defendem a Petrobras e os direitos trabalhistas.
Manifestações pelo país
Atos pediram reforma política e democracia.
REPERCUSSÃO
Álvaro Dias e Mercadante analisaram protesto


ANÁLISE

Saldo positivo nesta sexta, avalia governo


CENTRO PARADO

Ato vai da Cinelândia à sede da Petrobras

MASSA VERMELHA
Ato em SP reuniu 12 mil segundo a PM e 100 mil segundo a CUT



9 de mar de 2015


NOTICIAS  DO GLOBO ON LINE
 
Paulo Roberto diz que arrecadou R$ 30 milhões para ‘caixa dois’ de Cabral e Pezão em 2010

Agência O Globo

Agência O Globo -1 hora atrás

 

BRASÍLIA — O ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmou em depoimento de sua delação premiada que arrecadou R$ 30 milhões em recursos para “caixa dois” da campanha de Sérgio Cabral para governador e Luiz Fernando Pezão para vice, ambos do PMDB. Pezão é o atual governador, sucedendo Cabral.

Segundo o delator, os recursos vieram de empresas que atuavam na obra do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Ainda de acordo com Costa, o consórcio Compar, formado pelas empreiteiras OAS, Odebrecht e UTC, contribuiu com R$ 15 milhões. O restante foi pago por outras empresas, como Skanska, Alusa e UTC, disse o delator. O ex-diretor afirma que os pagamentos eram “propina”.

“Cada empresa deu “contribuição”, no total de R$ 30 milhões. O Consórcio Compar “pagou” R$ 15 milhões; o restante foi dividido entre as outras empresas, entre elas Skanska, Alusa e UTC”, diz resumo do termo de declaração 4 de Costa.

Cabral e Pezão ainda não comentaram as acusações de Costa. Eles têm negado irregularidades.

De acordo com o depoimento o então secretário da Casa Civil de Cabral, Regis Fitchner, foi quem fez a “operacionalização” dos repasses.

Costa contou que teve uma reunião no primeiro semestre de 2010 com Cabral, Pezão e Fitchner para tratar das contribuições à campanha. Posteriormente, o ex-diretor pediu às empreiteiras que fizessem doações para o “caixa dois” de Cabral.

Este depoimento do ex-diretor foi encaminhado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), foro dos governadores de estado. O GLOBO já revelou que o Ministério Público Federal pedirá abertura de inquérito contra Pezão no STJ.
 
ESTEVES - CEL RR

7 de mar de 2015

SAIO DO SILÊNCIO.


Lama na Política Fluminense! O nome do “ex” se faz presente.


O surgimento do nome de Sérgio Cabral na lista do Lava Jato, vulgo “PETROLÃO”, não é nenhuma surpresa. Caso não se recordem, quando governador, ele vivia um verdadeiro desespero para vender o Quartel General da PMERJ para a PETROBRÁS, o que só não ocorreu devido a ação de alguns abnegados, a intervenção popular e a movimentação do MP, inquietando por consequência os executivos da empresa que desejavam naquela oportunidade tudo menos holofotes. 
Conhecendo um pouco da história contada a respeito do “ex”, alguém acredita que se tratava de uma necessidade imperiosa para salvar as contas do estado, ou mesmo, que tudo decorrente da transação estaria descortinado de forma transparente para que todos os cidadãos fluminense que desejassem se inteirar, pudessem ter pleno acesso a todas as informações referentes ao caso, sem que houvesse nenhum atravessamento de erários não declarados?
Santa inocência!
Apesar deste remexer da lama, não acredito que dê em nada, mas pelo menos irá inquietar o sono desta pessoa, provocar algumas dores de cabeça e morte de alguns escorpiões homiziados em seus bolsos.

As investigações dos que não possuem prerrogativa de foro permanecem a cargo da primeira instância e continuam em curso perante a Justiça Federal do Paraná, base da Operação Lava Jato.


ESTEVES - CEL RR.