8 de jul de 2018

NOS MEANDROS DA JUSTIÇA


BRIGA DE CACHORRO GRANDE.

Fico um tanto quanto atônito diante de tantas notícias contraditórias a respeito do ex-presidente e atual presidiário, Lula.
Cabe ressaltar que apesar de antagônicas, nenhuma “Fake News”, todas verdadeiras.
Desembargador Favreto solta, o Presidente do TRF-4 Desembargador Flores prende, o primeiro ameaça o Juiz Moro caso não cumpra sua ordem de soltar o apenado dentro do prazo por ele estipulado, o Presidente do TRF-4 após derrubar a liminar concedendo o Habeas Corpus em favor de Lula, sai em defesa do Desembargador Favreto, dizendo que o mesmo foi induzido a erro.
Em contra-ataque, integrantes do Ministério Público Federal e do Poder Judiciário, protocolam no CNJ um pedido de instauração de processo disciplinar contra desembargador plantonista Favreto.
Deputados petista externam intenção de entrar com representação no CNJ contra o Juiz Sérgio Moro.
No corpo da decisão que deu fim a tentativa de golpe de soltar Lula, o Desembargador Flores afirma que não há qualquer ato ilegal que possa ser imputado as ações do Magistrado Sérgio Moro.
Todos os fatos acima elencados transcorreram num curto lapso temporal, fazendo com que o leitor ficasse desatualizado cerca de meia hora após ter tomado conhecimento de uma notícia.
Nesta briga jurídica com HCs, liminares, representações, investigações e Mandados de Segurança, o povo fica perplexo e inseguro com o amanhã.
Quem tiver a mordida mais forte leva.

ESTEVES – Cel RR

2 de jul de 2018

SITE LAVA JATO - MPF - COMBATE A CORRUPÇÃO


Força-tarefa Lava Jato reforça repúdio à tentativa de vincular operação e candidatos
2 DE JULHO DE 2018

Nenhum dos integrantes fez qualquer manifestação de apoio a algum pré-candidato

Da mesma forma como se posicionou há algumas semanas, a força-tarefa Lava Jato do Ministério Público Federal no Paraná (MPF/PR) vem a público novamente reforçar e esclarecer que nenhum de seus integrantes fez ou fará qualquer manifestação de apoio a algum pré-candidato a qualquer cargo nas eleições deste ano.
Esse esclarecimento se faz necessário em razão de nota publicada pela coluna Radar, do site da revista Veja, com o título Álvaro Dias é o preferido de Sérgio Moro, em que há menção a procuradores da força-tarefa de Curitiba.
Qualquer manifestação nesse sentido é especulativa e só tem a intenção de confundir a opinião pública tentando vincular todo o trabalho estritamente técnico, imparcial e apartidário realizado pela Lava Jato indevidamente a um partido, candidato ou ideologia política.

Lava Jato – Acompanhe todas as informações oficiais do MPF sobre a operação Lava Jato no site www.lavajato.mpf.mp.br
Assessoria de Comunicação Ministério Público Federal no Paraná


20 de jun de 2018

NOTÍCIAS DO SITE - R7


PMs pedem baixa da corporação e deixam o RJ por causa da violência

·         BALANÇO GERAL RJ

Devido à violência, o ex-policial militar Solon Lourenço se viu obrigado a abandonar a corporação.

De acordo com o agente, na época da decisão, ele não recebeu apoio do batalhão. Além de Solon, o cabo Neves também abandonou a Polícia Militar. Felippe Neves que, atualmente, mora fora do Brasil conta ainda que tomou essa decisão após sofrer perseguições e uma tentativa de homicídio.

Somente este ano, 163 agentes foram baleados no Estado, sendo que 80 deles estavam de folga.

De acordo com a Polícia Militar, em 2017, cem policiais pediram baixa da corporação, totalizando um aumento de 70% se comparado a 2015.


Meu Comentário: Alguém desconhece este fato, que a violência no Rio está fora de controle e que os Policiais Militares são caçados por marginais, sem maiores consequências para os facínoras?
O que os juristas fazem para mudar isso? E os políticos? A sociedade se incomoda com esta realidade perversa? E por derradeiro, o pessoal dos direitos humanos, além de ficarem contentes, que outro sentimentos os invadem quando da morte de um PM?
ESTEVES - Cel RR

SITE - O ANTAGON!STA. PASMEM!



Será que um dia este país terá jeito? Pode ser que sim, mas no momento com certeza não. Acredito que não viverei para ver.


Gilmar segue Toffoli e absolve integralmente Gleisi, Paulo Bernardo e empresário
 19.06.18 22:13  

Como previsto, Gilmar Mendes seguiu Dias Toffoli e resolveu absolver integralmente Gleisi Hoffmann, Paulo Bernardo e Ernesto Kugler das acusações de corrupção e lavagem de dinheiro.
Ele também não viu indícios de caixa 2.


Lewandowski acompanha Gilmar e Toffoli na absolvição integral de Gleisi
Brasil 19.06.18 22:38  

Ricardo Lewandowski acompanhou Gilmar Mendes e Dias Toffoli na absolvição integral de Gleisi Hoffmann, Paulo Bernardo e Ernesto Kugler, das acusações de corrupção e lavagem de dinheiro.
“As provas nos autos são completamente imprestáveis para sustentar qualquer acusação”, disse.
Com isso, ficaram vencidos os ministros Edson Fachin e Celso de Mello na tentativa de enquadrar os três acusados na prática do crime de caixa 2 – lembrando que o relator e o revisor também votaram pela absolvição dos crimes de corrupção e lavagem.


Lula vem aí…
Brasil 19.06.18 22:47  

A Segunda Turma do STF, que acaba de absolver Gleisi Hoffmann, analisará na terça-feira 26 o recurso que pode recolocar Lula na rua e na disputa eleitoral.



15 de jun de 2018

SITE - O ANTANGON!STA


Bretas recebe denúncia da ‘Operação Câmbio, Desligo’

O juiz Marcelo Bretas aceitou a denúncia do MPF contra Sérgio Cabral, Dario Messer e outras 60 pessoas no âmbito da Operação Câmbio, Desligo.
Bretas fatiou a denúncia em três partes: uma com os 14 foragidos, outra com os cinco réus que estão no exterior e uma terceira com os que estão no Brasil.
Eles responderão pelos crimes de lavagem de dinheiro, evasão de dividas e organização criminosa.
O MPF acusa Messer de chefiar a maior rede de doleiros do país, esquema que movimento US$ 1,6 bilhão em mais de 3 mil offshores.

Exclusivo: MPF denuncia Messer, Cabral e mais 60 pessoas na Operação Câmbio, Desligo
Por Claudio Dantas  

O MPF acaba de protocolar na Justiça Federal do Rio de Janeiro denúncia decorrente das investigações da Operação Câmbio, Desligo – que desbaratou a maior rede de doleiros do país.
Foram denunciadas 62 pessoas, entre elas o megadoleiro Dario Messer e o ex-governador Sérgio Cabral.
No documento, obtido em primeira mão por O Antagonista, o MPF demonstra o vínculo entre o esquema de lavagem de dinheiro e as propinas pagas pela Queiroz Galvão nas obras de urbanização da Rocinha (PAC Favelas), na construção do Arco Metropolitano e na Linha 4 do Metrô do Rio.






16 de mai de 2018

SITE MSN


Suspeito de ligação com morte de Marielle vai para presídio federal


EFE Assassinato da vereadora completou dois meses
O miliciano e ex-policial militar Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando de Curicica, apontado por uma testemunha como um dos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, será transferido para um presídio federal de segurança máxima. A decisão é da 5ª Vara Criminal da Capital e atende a pedido da defesa. O ex-PM vai seguir no presídio Bangu 1 até que seja determinado para qual unidade ele será transferido.
O advogado Renato Darlan, que defende Orlando, explicou que pediu a transferência porque seu cliente já sofreu uma tentativa de envenenamento e se encontra em greve de fome. Em carta escrita na prisão, o ex-PM negou participação no assassinato e disse que não conhecia Marielle e que nunca esteve com o vereador Marcello Siciliano (PHS), outro apontado pela testemunha como mandante do crime.
Darlan esteve na Delegacia de Homicídios onde tentou, sem sucesso, ter acesso ao depoimento do delator que teria apontado Orlando de Curirica e Marcello Siciliano como mandantes do assassinato. Ele contou que tampouco conseguiu falar com o delegado responsável pelo caso, Giniton Lages, que esteve em Bangu 1 na quinta para conversar pessoalmente com o ex-PM.
“O Orlando está em greve de fome absoluta, está debilitado, nem sei como vou encontrá-lo”, explicou o advogado. “Consideramos que isso seja uma espécie de tortura emocional, de tentar fazer com que ele fale coisas que não sabe.”
Na última sexta, Darlan afirmou que a visita do delegado a seu cliente foi para pressioná-lo a confessar a participação na morte de Marielle e de Anderson Gomes. A Secretaria de Segurança confirmou que o delegado esteve em Bangu 1 e se encontrou com o ex-PM, mas disse que foi a pedido do preso.

Meu Comentário: Qual o objetivo de toda esta trama, achar um culpado a qualquer preço?


Bebê de seis meses é atingido por bala perdida no Rio.

Caique de Carvalho estava no colo da mãe, que estava na escola de filho mais velho, quando foi atingido no ombro; bebê passou por cirurgia.
No Rio de Janeiro, como sempre acontece, o primeiro suspeito da autoria do disparo é PM. Depois que a PMERJ afirma que não realizava operação na localidade na hora do fato, a informação é verificada com a vizinhança para ser avalizada. Caso esta seja confirmada, a mídia perde o interesse e não retoma a pauta.
Mas, para não perdermos o foco e não deixarmos esvair as informações, prejudicando desta forma a coleta de dados para as estatísticas, permito-me algumas perguntas: Quantos ônibus foram queimados em represália a nefasta ação dos marginais? Quantos Políticos ou defensores dos direitos humanos compareceram à Delegacia a fim de exigir uma apuração eficiente e eficaz? Quantos advogados se apresentaram para colaborar com o intuito de dar celeridade as investigações?
Por favor, aqueles que tiverem a iniciativa de ler este artigo, não se acanhem, me ajudem, arrisquem uma opinião e respondam os quesitos elencados.

ESTEVES - Cel RR

7 de mai de 2018

SITE - O ANTAGON!STA



Acusados usam Justiça Eleitoral para ‘fugir’, diz Bretas
Brasil 07.05.18 16:42  

Marcelo Bretas foi a um evento na sede do TSE e condenou a utilização indevida da Justiça Eleitoral por acusados de crimes como corrupção e lavagem de dinheiro, relata O Globo.
“Às vezes um recibo eleitoral, uma transferência bancária ou aquilo que formalmente é uma contribuição eleitoral na sua natureza é lavagem de dinheiro. O pagamento de propina, muitas vezes, é por meio de uma contribuição eleitoral. Nós não podemos ser ingênuos de acreditar pura e simplesmente em teses que a defesa tem nos trazido. Atualmente, o sonho de alguns acusados é levar o recurso para a Justiça Eleitoral”, explicou o juiz da Lava Jato no Rio.
Bretas disse ainda que a Justiça Eleitoral é especializada, mas não tem a estrutura necessária para receber as demandas da área criminal.
“A Justiça Eleitoral é uma Justiça sem juízes. São juízes temporários. Nenhuma crítica aos advogados, que fazem o papel deles. Mas existe hoje uma prática muito grande de atribuir a todos os crimes o perfil de crime eleitoral.”



A camiseta Bretas
Brasil 07.05.18 16:51  

Marcelo Bretas disse no TSE:
“As pessoas conhecem nossos juízes, os ministros do Supremo Tribunal Federal. Podem não conhecer um jogador da Seleção Brasileira, mas conhecem os juízes, acompanham os julgamentos. Sabem que o STF vai decidir do foro privilegiado, questão superimportante. Isso é excelente, nós somos servidores do povo, temos que dar satisfação, ser transparente, o que não se confunde com autopromoção. Não se confunde com autopromoção, vender marca de camiseta Bretas, alguma coisa assim. As pessoas percebem isso, a imprensa, a sociedade percebe quando alguém quer aparecer e quando não”.

SITE MSN BRASIL: ABERTURA DO MERCADO?


Startup que quer substituir Correios recebe aporte de R$ 25 mi


São Paulo – A startup Mandaê está surfando em um mercado que, recentemente, só entristeceu seus consumidores – o que catapultou novas soluções. A logística para empresas passou diversos reveses nos últimos anos, como o fim do serviço de entrega para e-commerces e-Sedex e um vai e vem de fretes mais caros nos Correios, e isso ajudou a startup a anunciar uma nova rodada de aportes e continuar o crescimento de sua operação.
O negócio recebeu 7,1 milhões de dólares (na cotação atual, cerca de 25 milhões de reais). A rodada série B foi liderada pelo órgão International Finance Corporation, do Banco Mundial, e contou com a participação dos fundos FJ Labs, Mercado Livre Fund, Tekton Ventures e UPS Strategic Enterprise Fund. Outros investidores já são conhecidos da startup, como Performa Investimentos, Qualcomm Ventures, Monashees e Icon Holding Company.
“São fundos que já investiram em startups, inclusive de logística, pelo mundo inteiro. Além disso, possuem muita experiência e conexões de mercado. Eles sabem os desafios que temos e poderão dar muitos conselhos”, afirma Marcelo Fujimoto, CEO da Mandaê.
O primeiro fundo que merece destaque é o feito pelo IFC, do Banco Mundial. “A logística é um setor muito importante para o desenvolvimento dos países e enfrenta muitos problemas no Brasil. Então, para eles, fazem muito sentido investir no mercado em geral e na nossa solução em particular.”
Além do líder da rodada, outro fundo da lista merece destaque: o Mercado Livre Fund, parte da gigante de e-commerce. Fujimoto diz não poder falar em nome do Mercado Livre, mas obviamente há um interesse estratégico com o aporte.
“O frete é um dos fatores mais impactam a experiência no e-commerce, especialmente a taxa de conversão de consumidores. Marketplaces como o Mercado Livre estão preocupados com o setor, e acho que é um dos fatores que explica o investimento deles na gente. O mercado está carente de uma solução.”
Vale lembrar que a Qualcomm Ventures, que também aportou nesta rodada, já investiu em outra startups de logística que atua no Brasil: a CargoX, do argentino Federico Vega.

Como funciona?

Criada em 2014, a Mandaê tem como objetivo aumentar a eficiência na coleta, embalagem e transporte de produtos, especialmente aqueles das pequenas e médias empresas. A primeira opção de envio de tais empreendimentos é, hoje, a Empresa Brasileira de Correios.
A startup faz a intermediação com outros negócios que recolhem os produtos, fazem uma embalagem adequada ou os transportam por caminhões próprios. Como a Mandaê negocia um volume maior de produtos durante toda essa cadeia, usando os pedidos de todas as suas clientes, a economia no frete das empresas pode chegar a 35%. A startup também oferece experiências como logística reversa (realizar trocas de pedidos) e ferramentas para gerenciar, rastrear e cotar envios.
Hoje, a Mandaê afirma atender “centenas” de clientes, compostos principalmente de pequenas e médias empresas. O negócio diz atender algumas companhias maiores.
Por conta do novo contrato de investimento, a startup não quis abrir números de volume de entregas ou faturamento, constatando apenas quadruplicar de tamanho nos últimos anos e querer manter a taxa para 2018.
A Mandaê ganhou o Prêmio ABComm de Inovação Digital 2017, da Associação Brasileira de E-Commerce, na categoria de “Logística no E-commerce”.

Planos de expansão e desenvolvimento

O investimento terá dois objetivos, segundo Fujimoto. O primeiro é expandir o serviço de logística empresarial para outros estados – até o momento, a solução atua apenas em São Paulo.
Depois, a startup usará os recursos para contratar mais pessoal, especialmente em atendimento e desenvolvimento de produto. A Mandaê possui 100 funcionários e quer dobrar de tamanho até o fim do ano.
“Nosso modelo de plataforma tecnológica para a cadeia de entrega é complexo, então continuaremos investindo”, afirma o CEO da Mandaê.
Um dos projetos tecnológicos para 2018 é melhorar a tecnologia de rastreamento sobre os produtos intermediados pela startup, por exemplo. A startup também quer fomentar parcerias mais profundas com as transportadoras.

Histórico de investimentos

A Mandaê já havia feito uma rodada de investimento-semente em março de 2014, no valor de 200 mil dólares. Um ano depois, captou um Série A de 4,9 milhões de reais, liderado pelos fundos Monashees e Valor Capital Group.
Por fim, fez novas rodadas que totalizaram 19,5 milhões de reais, com participação dos fundos anteriores e de nomes como Performa Investimos e Qualcomm Ventures. Somando o aporte atual, a startup já captou cerca de 50 milhões de reais.

Meu Comentário: Será uma luz no fim do túnel para aqueles que se utilizam do comércio virtual?
Sim pois o serviço prestado hoje pela EBC é caro e de qualidade muito ruim.

6 de mai de 2018

SITE O ANTAGON!STA


Delator revela em detalhes como Cabral recebia propina
Brasil 06.05.18

Um dos trechos da delação de Carlos Miranda, operador de Sérgio Cabral, revela em detalhes como o ex-governador do Rio recebia propina e como eram feitas as transações na época em que ocorreu a renovação da concessão do Metrô Rio, publica O Globo.
“Segundo ele, um doleiro o telefonava para avisar hora e local de entrega. Um desses locais foi confirmado pelo Globo como uma casa de câmbio em uma galeria no Leblon.
De acordo com Miranda, o ex-secretário de Governo Wilson Carlos foi o responsável por negociar os valores de propina que deveriam ser pagos pela empreiteira [Camargo Corrêa]. O delator aponta o ex-secretário da Casa Civil Régis Fichtner como autor do ‘arranjo jurídico’ do contrato entre o governo do Rio e a Camargo Corrêa. Ele também assume que intermediou ao menos dez prestações pagas pela construtora. De acordo com Miranda, à época Cabral pagou um prêmio de R$ 300 mil para Régis Fichtner e outros R$ 300 mil para Wilson Carlos.”