4 de out de 2011

REPETECO

A história se repete. Cai mais um Comandante Geral da PMERJ.
Muitas versões serão dadas para o fato. Algumas oficiosas e outras oficiais, mas sem qualquer medo de errar, afirmo que nenhuma retratará o real motivo na nova troca.
Em que se baseia esta assertiva? Em observações diárias dos fatos e das notícias veiculadas na mídia, estas com o fito de, como costumam dizer dois amigos, “construir” um factóide capaz de sustentar uma versão, tornando-a plausível.
Não posso elencá-las sob pena de não ter como apresentar provas, visto que as mesmas permanecem em poder daqueles que desconstruíram a verdade e a reconstruíram de modo a atender a seus interesses.
Se me fosse pedido para, em poucas palavras, relatar o motivo da substituição, diria que uma palavra de duas sílabas sintetiza tudo: PODER.
Perda, manutenção, ganho através de conquista ou de usurpação. É disso que estamos tratando.
Em postagens anteriores já mencionei a existência de conspirações caminhando neste sentido. É preciso que os homens de bem despertem para este inconteste fato. Parem, observem, pensem, conjecturem e concluam. Talvez não seja tarde.
Apesar de mais uma derrota, há uma tênue esperança. O coração combalido e enfraquecido pela vaidade dos homens ainda pulsa. A guerra ainda não acabou.


ESTEVES Cel RR

27 de jul de 2011

BRUMAS DE UMA EXISTÊNCIA

Pensando na minha existência, lembrei-me da juventude quando meu coração e minha mente eram povoados de sonhos. Alguns realizados outros tantos não.
Neste meu devaneio lembrei-me de uma coluna do Jornal O Globo que li ano passado sob o título Coração Ausente e constatei algo que ainda não havia reparado.
Em minha caminhada, criei corações secretos com o fito de me proteger.
O que quero dizer com isto?
É sabido que uma pessoa após perder um membro do corpo, pode continuar sentido dores no mesmo como se ele ainda lá estivesse apesar da amputação, mas o sofrimento perdura, atormenta e maltrata. Não há um remédio que se passe para amenizar a dor, pois este membro está ausente, faz parte de um passado, é irreal, inalcançável por qualquer panacéia.
Na tentativa de empreender uma jornada segura na busca de meus ideais, criei um órgão fictício, logo, inatingível pelos meus concorrentes, de modo a preservar-me durante minha empreitada pela realização dos sonhos.
Desvario? É certo, mas este coração ausente e surreal me permitiu seguir incólume pelas veredas da vida.
Meus sonhos? Ainda os busco, mas sem a necessidade da couraça de meus delírios, pois com o passar dos anos e como conseqüência de algumas conquistas, romperam-se os grilhões, minha carta de alforria emoldurada pelas realizações, vela meu sono, combati o bom combate, encontro-me livre.
ESTEVES –CEL RR

22 de jun de 2011

ARROGÂNCIA – EGOÍSMO – VAIDADE

Fico pensando nestas três palavras e tudo que elas podem representar.
No sentido significativo de cada uma delas, tangenciam-se sem igualar-se, mas no comportamento humano são quase complementares.
Em um dos meus momentos de reflexão, buscava respostas a certos comportamentos e deparei-me com uma bruma que cobre certas ações, onde a vaidade cega, a arrogância cala a razão e o egoísmo ensurdece para a realidade e conseqüência dos atos.
Percebo que atitudes são tomadas sob o empanar de pseudo-apoio, onde ao resguardo do egoísmo, o ser convence a si próprio da magnitude sacerdotal de suas ações e, recusa a admitir que os nefastos resultados sejam conseqüência natural de tão imponente devaneio.
Nos atos tomados em busca de soluções sociais, a razão e o coração não podem estar divorciados. Há de se ouvir antes de agir. Fazê-lo com a determinação emanada do coração e a frieza estratégica da razão. Os sentidos devem estar aguçados, com o fito de não se perder o norte geográfico.
ESTEVES – Cel RR

16 de jun de 2011

A POESIA DA VIDA


A vida é uma poesia que insistimos em modificar inserindo versos dissonantes de acordo com o que vemos com a miopia do nosso enxergar.
As rimas ricas elaboradas pelo poeta resistem às insistentes travessuras de quem teima em participar da composição, quando apenas deve interpretá-la, pois o criador reservou para cada um de nós um papel que devemos representar, aproveitando ao máximo sua essência para podermos alcançar o que mais desejamos. Sermos felizes.
Nosso embaçado discernimento nos leva, em nome do livre arbítrio, a cometer atrocidades contra nós mesmos. É preciso parar, observar a natureza e refletir a existência.
ESTEVES CEL RR

12 de jun de 2011

COMO ESCONDER


Como esconder cerca de trinta mil pessoas. Impossível, talvez por isso consigamos receber da mídia fluminense algumas notícias sobre o movimento SOS Bombeiros, entretanto a imprensa carioca se limitou a informar sem dar a merecida importância ao fato.
Explicações para isso existem muitas, mas seria leviano de minha parte afirmar algo que todos sabem, mas não podemos provar.
O que sei é que o barco está “fazendo água” e chega um momento em que até os ratos abandonam o navio.
Vamos aguardar.
ESTEVES –CEL RR

19 de mai de 2011

CIDADÃO

Recebi, via e-mail, uma definição deveras interessante e resolvi repassá-la por entender que tem tudo haver com o momento ora vivenciado, mas antes, vale apena relembrar velhos conceitos um pouco esquecidos.
Segundo “Aurélio”:

CIDADANIASubstantivo feminino. Condição de cidadão.

CIDADÃO:       Substantivo masculino.
                           1.Indivíduo no gozo dos direitos civis e políticos (grifo meu) de um Estado.
                           2.Pop. Indivíduo, sujeito. [Pl.: –dãos. Fem.: cidadã, cidadoa.]

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988:
                           Segundo  Wikipédia, a enciclopédia livre: A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 é a atual lei fundamental e suprema do Brasil, servindo de parâmetro de validade a todas as demais espécies normativas, situando-se no topo do ordenamento jurídico.
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição;
II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei
III - ninguém será submetido à tortura nem a tratamento desumano ou degradante;
IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
...
XVI - todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;
XVII - é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar;
XVIII - a criação de associações e, na forma da lei, a de cooperativas independem de autorização, sendo vedada a interferência estatal em seu funcionamento
      ....
XL - a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu;
XLI - a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais;

E tantos outros incisos interessantes. Que belo diploma legal.

Vamos à definição constante do correio eletrônico:

EPIQUEIA - Definition:

Epiqueia (do grego epieikei = equidade) é, segundo Aristóteles, aquela forma de equidade ou justiça superior, que se sobrepõe ao preceito jurídico positivo, em virtude da qual é lícito ao homem operar contra a letra de uma norma jurídica obrigatória, por causa do rigor exagerado da mesma num caso particular, sendo todavia sua ação conforme com a mente do legislador.  Dado que uma norma positiva (lei) nunca pode prever exatamente todos os casos particulares, o direito superior da epiqueia reclama a admissão razoável de uma exceção à regra estrita.  Seja, p. ex., a norma:  uma coisa confiada a outra pessoa deve ser devolvida, quando reclamada pelo dono.  Esta norma pode perder seu valor, se alguém, com o fito de matar outra pessoa num insensato arrebatamento de ira, exige a devolução de uma arma entregue em depósito.  Para aplicação da epiqueia requerem-se as seguintes condições:  uma situação difícil certa e real, que torne irrazoável a norma para o caso em questão e a impossibilidade de recorrer à legítima autoridade.  A epiqueia não é aplicável, tratando-se de preceitos proibitivos da lei moral natural.  Tratando-se dos direitos positivos da mesma, em caso de necessidade entra em jogo o princípio superior, de que a lei não obriga quando impõe ônus absolutamente insuportável.  E questão discutida a aplicação da epiqueia às chamadas leis irritantes, que têm como consequência a invalidade de um ato jurídico. — Schuster. [Brugger

Reflitam ... não é  realmente interessante e atual?

ESTEVES – Cel RR

10 de mai de 2011

VAIDADE ou EMOÇÃO?

Uma homenagem pode acarretar vários efeitos em uma pessoa, na maioria das vezes, deflagra uma vaidade que necessita, por parte do homenageado, uma grande cautela e vigilância para que ela não o cegue e avance desmedidamente, causando muitas vezes um estrago irreparável.
Não sou diferente. Ao ser homenageado também me envaideço, porem os sentimentos mais fortes são de emoção e principalmente de satisfação por ver a confirmação de que minhas decisões me conduziram ao meu objetivo, qual seja, a satisfação do meu público alvo.
Na verdade, não me importa pompa ou simplicidade, a afluência de autoridades e convidados ou mesmo a ausência deles em um recinto simples e fechado, o que “me toca” é justamente o fato dela, a homenagem, existir, pois como disse, é o reconhecimento de uma jornada silenciosa e solitária.
Obrigado, de coração, a todos aqueles que, de forma direta ou indireta, participaram da  homenagem a mim prestada no último dia 29.
Muito me emocionaram as palavras do Comandante que encheram meu coração de alegria e de esperança. Esperança de que nem tudo está perdido na minha Briosa Corporação e que ainda há aqueles que, como eu, acreditam que todos são importantes, do Coronel ao Policial mais recruta, cada um dentro de sua esfera de atuação, como um corpo que precisa tanto do coração quanto dos pulmões ou dos rins para bem viver. A PMERJ é este corpo.
Obrigado! O corpo está combalido, mas ainda pulsa. O sangue ainda corre nas veias. Há vida!
ESTEVES – Cel RR.

28 de mar de 2011

ATENTADO

Com pesar que constato em nosso estado o recrudescimento de um crime que, nas últimas décadas, estamos acostumados a assistir nos filmes e noticiários internacionais, ou mesmo de outros Estados da federação.
Estou me referindo ao crime político.
Todos os indícios nos levam a conjecturar que o atentado que sofreu o Sr Ricardo Gama, a quem não conheço pessoalmente, trata-se de um crime dessa natureza. É a pseudo-democracia instaurada.
Se tal for confirmado, além de ser um retrocesso na civilidade de nosso povo, o tiro saiu pela culatra.
Por que digo isto? Simples, primeiro acredito que tão logo se recupere o Sr Ricardo voltará a escrever em seu blog e com mais veemência ainda. Segundo, muitos daqueles que não concordam com o que acontece em nosso estado, mas que por comodismo ou por não  desejarem se envolver, permanecem alienados do cotidiano, com o acontecimento deste atentado, ao invés de se amedrontarem, irão de maneira progressiva e homeopática, sair de cima do muro ou do marasmo que se encontram e começar a “cerrar fileiras” junto aos obstinados e ferrenhos críticos desta situação.
Acredito que este fato já tenha se iniciado e que os véus que encobrem e dissimulam algumas imagens já começam a cair e descortinar as verdadeiras imagens empanadas pelas bazófias verborrágicas.
ESTEVES – CEL RR

27 de mar de 2011

POLICIA COMUNITÁRIA?

Nos últimos dias, freqüentando algumas OPM de saúde, tive oportunidade de ouvir Oficiais falando sobre Policia Comunitária. Reconheço que fiquei curioso e nas ocasiões que surgiram chances, anonimamente, me aproximei para escutar.
Minha estupefação foi ainda maior que minha curiosidade, pois alguns Oficiais, ao defender o Policiamento Comunitário, demonstravam completo desconhecimento do que seja realmente.
Admito que definir policiamento comunitário não é simples, pois é dinâmico de acordo com uma série de fatores intervenientes. Isto é, a estrutura, os objetivos e as técnicas a serem utilizadas variam em cada comunidade onde atue.
Para aqueles que se interessarem, há fatores comuns a todos os programas de Policia Comunitária. São eles:
• PARCERIA;
• PODER;
• RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS;
• RESPONSABILIDADE;
• ORIENTAÇÃO PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS;
• ADAPTABILIDADE.
Quem realmente quiser entender e aplicar sugiro que, antes de qualquer coisa, busque ler “Cadernos de Polícia número 8”, editado pela Corporação na gestão do Coronel Carlos Magno Nazareth Cerqueira, então Secretário de Estado de Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro.
Leitura indispensável.

ESTEVES – CEL RR.

21 de mar de 2011

REFLEXÃO

Como às vezes faço, estava contemplando a natureza; desfrutando do frescor da brisa marinha, admirando o contorno simétrico da crista das montanhas, o azul esverdeado do mar e sorvendo o aroma da maresia. Neste momento de introspecção, veio-me a lembrança, uma quase infinita quantidade de pessoas que passaram pela minha vida.
Algumas rapidamente sem que tivessem chance de se nomear, outras de forma mais efetiva. Todavia constatei o fato de que todas me ensinaram alguma coisa.
Talvez eu não tenha tido a maturidade necessária ou a sapiência para apreender ou mesmo implementar o que me era passado, no momento do ensinamento, mas com toda certeza ficou de alguma forma gravado no meu subconsciente.
Nesta viagem que faço ao meu “eu” muitas vezes encontro as respostas, que em dado momento não soube achar, nas experiências de vidas destas importantes pessoas que gravitaram e até hoje ladeiam o meu ser.
Então, apesar de saber que um número diminuto destes maravilhosos mestres tomará conhecimento deste artigo e, uma quantidade menor ainda terá consciência de sua real importância para mim e para tudo que sou, fiz e represento, ainda assim me obrigo, por dever de justiça e acolhimento das ordens emanadas de meu coração, a agradece-los por tudo que sou e que aprendi nesta vida.
De coração, OBRIGADO.
ESTEVES – CEL RR.

20 de mar de 2011

NOVOS SONHOS

O ano se inicia e com ele renovam-se as esperanças e os sonhos. Alguns, conscientemente utópicos outros factíveis, não importa, o que realmente interessa é que eles existam, pois sem sonhos a vida não tem sentido.
Estou vivo, logo tenho meus sonhos, entre eles estão o reconhecimento, pelos governantes, do valor e importância dos profissionais das áreas de educação, saúde e segurança; a transformação em atos das falas em defesa do planeta, ou seja, que deixem um pouco de discursar e passem agir de modo a buscar não uma proteção, mas sim um não ataque ao planeta, pois a Terra é uma das maiores vítimas do “homem”.
Que os políticos roubem menos. Vejam a que ponto cheguei, não sonho nem que eles não se locupletem, mas sim que não façam só isso.
Que as pessoas consigam ver a beleza com que DEUS nos presenteia diariamente: O nascer e o pôr do SOL, o colorido das plantas, o odor das flores, a singeleza e sinceridade dos animais, os vales, as montanhas, os rios, o mar com sua força inquestionável, enfim a natureza como um todo, com toda sua magnitude e esplendor.
Sei que vários (se não a maioria) destes desejos são quimeras, mas permito-me os devaneios, pois creio que para o Criador do universo tudo é possível, então sonho e rezo por suas concretizações.
Sonhem, não permitam que suas vidas passem sem sentido, almejem de forma ética e dadivosa, pois este foi o grande ensinamento que nos recusamos a seguir.



ESTEVES – CEL RR