6 de dez de 2010

FLUMINENSE


Não poderia deixar de compartilhar minha alegria pela vitória do meu tricolor.
Difícil descrever a emoção que vai no meu coração.
Um coração rubro pelo sangue que pulsa, branco pela paz que dele emana e verde pela esperança de dias melhores para todos os que padecem, este é o coração do torcedor do FLUSÃO.
Meu coração que palpita e descompassado reduz ao quase parar, acelera em seguida, para, ritmicamente, voltar aos batimentos normais; é um coração valente por natureza.
Os olhos embaçam sem marejar, o sorriso, discreto quase envergonhado, pela sisudez dos demais, assume seu papel no rosto que aos poucos começa a brilhar e, ao final, um grito preso na garganta a quase explodir, não quer sair para não melindrar os semelhantes que não compartilham da mesma emoção, apesar de felizes por mais esta vitória do Rio.
Ser Tricolor é algo mais do que simplesmente ser um torcedor de um clube.
 
É ter um amor platônico que bem convive com os amores terrenos, é ser dedicação inconteste sem prejudicar a labuta, é ser devoção sem ser abstinência à vida, é ser fervoroso sem ser doentio, é ter carinho pelos demais sem perder sua identidade.
Ser tricolor é tanta coisa e nada, é simplesmente ser.
 
Parabéns a todos os tricolores, parabéns aos jogadores e dirigentes que souberam levar o clube a tão nobre conquista, um parabéns especial ao Técnico Muricy Ramalho, que deu exemplo de dignidade e de senso de responsabilidade, abrindo mão da vaidade de dirigir a Seleção, para honrar sua palavra empenhada. Um verdadeiro MESTRE.
 Durma o sono dos justos, pois combateste o bom combate.

ESTEVES – CEL RR.

3 comentários:

Otacílio disse...

Parabéns, pois foi merecido o título.

Tio disse...

Pois é... Fluminense campeão, lutando contra um inimigo vindo de São Paulo - Corinthians - que vinha papando vergonhosamente pontos no apito e no tapetão. No final todos torciam pela justiça, e o mais justo seria mesmo o Fluminense com esse "Caneco".
Muitos inclusive consideraram indelicado quando da tomada pela PMERJ do morro do Alemão, colocarem a bandeira brasileira no topo daquela comunidade. Ora, afinal o inimigo era interno. Não era nenhuma tomada de Monte Castelo na II Grande Guerra.
Teria sido justo também, ao tirarem a bandeira do Flamengo do morro do Alemão, que ela fosse substituída pela do Fluminense. Penso eu.

Paulo Ricardo Paúl disse...

Parabéns, meu irmão.
Hoje fechei o livro na editora.
Farão uma prova final e depois gráfica.
Deve sair em fevereiro ou início de março.
Grato pelo belo prefácio.
Você é o primeiro convidado para o lançamento.
Vou divulgar detalhes quando a editora der o sinal verde.
Juntos Somos Fortes!