22 de dez de 2007

A CONSTATAÇÃO

A CONSTATAÇÃO


Como eu havia dito no post anterior, é preciso parar, ler, ver e entender para perceber os cordéis e nos livrarmos dos grilhões.

Não desejo nenhuma revolução, só a consciência do que nos ocorre.

Como assim?

Se queremos continuar desta forma, que seja, mas o importante é que não estejamos sendo enganados, a opção deve ser nossa.

Por obséquio, leiam à reportagem publicada no GLOBO ONLINE e tirem suas conclusões.

Reflitam.


Cabral elogia na CBN política de segurança e diz que polícia está motivada
Publicada em 21/12/2007 às 11h43mO Globo Online
RIO - Em entrevista na manhã desta sexta-feira na Rádio CBN, o governador Sérgio Cabral fez uma avaliação positiva da política de segurança pública do estado em seu primeiro ano de gestão (vote: você concorda com o governador?). Marcado por tragédias como a dos meninos João Hélio, em fevereiro , e Hugo Ronca Cavalcanti, em dezembro, e também por críticas da ONU à política de enfrentamento nas favelas ( representantes da organização acusaram Cabral de incitar a violência e desrespeitar os direitos humanos ), 2007 é visto por Cabral como um ano em que houve avanços. Ele afirmou que a polícia está estimulada, com o reajuste salarial que recebeu, e destacou o aumento do efetivo policial ( relembre os fatos mais importantes do ano na Retrospectiva 2007 do Globo Online ).
- A minha avaliação (sobre a área de segurança pública) é muito positiva. Acho que nós chagamos ao final do ano com uma polícia estimulada, com o apoio do governo para atuar. Mas é um problema muito complexo, e para chegar à solução do problema, você tem que colocar o trem no eixo. Nós colocamos o trem no eixo, numa política com independência, numa política em que o governador pessoalmente não se envolve na escolha da promoção do mérito da polícia. Não tem nenhuma infliuência política também nas escolhas dos delegados titulares das delegacias e dos batalhões - afirmou Cabral.
Segundo o governador, houve aumento de 1.500 recrutas no efetivo da Polícia Militar. Ele destacou ainda a aquisição de novas viaturas e a decisão de terceirizar a manutenção da frota.
- Compramos também um helicóptero blindado que foi usado na Colômbia e no Iraque e pequenos blindados para a polícia, com uma política de valorização salarial na medida em que podemos dar. Demos um reajuste este ano longe do ideal, mas acima da inflação - enumerou.
Sobre o combate ao crime, argumentou:
- Estamos enfrentando a criminalidade, não tem trégua, não tem acordo. É um ambiente muitas vezes tensos. Quem mais perde com a violência e com a criminalidade são os mais pobres.
O governador citou também investimentos, junto com o governo federal, com verba do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), de R$ 1 bilhão em favelas do Rio, como Rocinha, Manguinhos, Alemão, Preventório, Dona Marta e Pavão-Pavãozinho.


CORONEL ESTEVES - BARBONO

Um comentário:

Coronel Paulo Ricardo Paúl disse...

Meu irmão:
Excente observação.
O pior cego é o que não quer ver.
Parabéns!
Paúl